Por que as aulas começam tão cedo?

Atualizado: 20 de Nov de 2019


Em algum momento você, que é aluno, já questionou o horário da escola. Por que as aulas começam tão cedo? Por que não começa lá para as 10h ou 11hs da manhã?

Acordar cedo pode ser bastante estressante, ainda mais para quem não tem esse hábito. E pesquisas científicas indicam que dormir pouco pode ser extremamente prejudicial à saúde. Além de ser penoso acordar cedo, para muitos se torna igualmente incômodo e complicado ir dormir na hora adequada. A hora adequada é aquela que você odeia, sempre cedo demais. Aposto meus poucos tostões que você já teve uma briga com seus pais por causa disso. Eles querem que você durma cedo e acorde descansado no dia seguinte. Você quer ficar acordado para assistir a um programa na TV, para jogar, ou para ficar de bobeira na frente do computador.

Tem escola que flexibiliza a chegada dos alunos. E tem escola que é sargentona. Quando eu estudava, era obrigado a estar às 6h:50m no pátio da escola para cantar o hino nacional (todo dia!) para depois subir para as salas de aula às 7:15h. Era uma canseira.

Existe um contexto histórico por trás desse horário escolar. Para responder a essa pergunta, vamos precisar voltar no tempo, ir ao século XVIII, um século marcado pela Revolução Industrial, um importante período cheio de grandes avanços tecnológicos, o que permitiu o homem migrar do campo para as cidades, desenvolver maquinários pesados para a produção de alimentos e de produtos industriais.

Antes da Revolução Industrial, um artesão fazia todo o serviço sozinho. Dessa forma podia estipular seus horários, pois toda a produção dependia apenas de uma pessoa. O mesmo sapateiro fazia o solado, os cadarços, as fôrmas e as palmilhas. Podia levar uma semana para terminar o serviço. Após a Revolução Industrial, as fábricas passaram a produzir produtos em série. Uma fábrica de sapatos, por exemplo, possuía várias máquinas: uma fazia mil solados por dia, outra fazia mil cadarços, a outra produzia mil palmilhas, etc. A cada dia, mil novos sapatos chegavam ao mercado. As máquinas eram operados por funcionários que precisavam trabalhar nos mesmos horários para que a produção não ficasse desigual. Daí os donos das fábricas foram obrigados a criar as jornadas de trabalho, com seus horários bem especificados. Os funcionários eram obrigados a chegar juntos no primeiro horário da manhã, almoçar às 12hs (quer tivessem fome ou não) e sair ao escurecer. A cidade em torno das fábricas passaram então a funcionar no mesmo horário das fábricas. Os meios de transporte começaram a atender a demanda dos funcionários e as escolas precisaram abrir cedo para receber os filhos dos trabalhadores.

É por esse motivo que as pessoas se sentam para comer sempre ao meio-dia. É por esse mesmo motivo que você chega todo amassado e de mal humor em sua escola às 6:50h da manhã. Vai se acostumando. Quer você seja operário ou dono de fábrica, terá que se acostumar com o horário matutino de trabalho. A escola já prepara o cidadão para a rotina enfrentada no mercado de trabalho. E se você parar para pensar, o meio-período proposto pelas escolas matutinas é perfeita para encaixar todo o conteúdo entre as duas refeições mais importantes, o café e o almoço. Assim, espera-se que o aluno tenha melhor desempenho acadêmico.

Com o surgimento de novas propostas de trabalho, com horários mais flexíveis; com a advento do home-office e a criação de empresas pautadas no bem estar dos funcionários, mais e mais famílias estão trabalhando em horários diferentes daquele considerado "tradicional". Os meios de transporte, o comércio e os meios de serviço vêm, aos poucos se adaptando a esse novo público. Falta saber se um dia as escolas também o farão.

Se você gostou do artigo, não deixa de entrar na nossa loja virtual e escolher um livro de minha autoria. É só clicar aqui!

_____________________________________________________________

João Pedro Roriz é escritor e jornalista, autor de diversos livros juvenis de referência paradidática. Contatos: joaopedrororiz@arteemvoga.com.br.

#artigo

80 visualizações

João Pedro RorIz

Site oficial do escritor